09/06/2014

Capim da saudade

Comprei frutas frescas!

Correndo rindo, me levei de criança
E espalhei tudo pelo seu jardim
Penduradas uma a uma em mim

E as suas flores todas que eu vi lá
Abriram se como se eu as deixasse
Num cair de cada pétala, feito plumas  
Roçado fino na solidão de espinhos
Dançando no vento em num “polir” do chão
Feito pensamento que desmancha...

De maços vagos me catapulto em anseios lúdicos
Enrolados como fumo de raízes de amor puro

E aquelas cores todas de seu pomar, e as folhas soltas...
Foi-se no tempo tornando-as ocres, terra nova que pousava

E aquelas frutas-eu que eras pra te aguçar
E morder me suculenta em matar sua fome

E foi-se temporada...

E agora da varanda daqueles seus sorrisos
Alegrava se uma saudade feita de um casal na rede

Dessas paixões de boa tarde
Delicado tempo venta porta de trás

Até me invade porta a frente
Capim de saudades

André Luz




2 comentários: