30/01/2014

Asa de saudade 
de quando o peito leve 
acendia um brilho limpo 
onde eu era pensamento de menino 
rio cristalino

Dessa gota me orvalho
em amanhecimentos
cheios de ritmos e atos
onde a fé no futuro
a imensa leveza de não ser mais expulso de nenhum falso éden
me fazem a nobreza
do que eu no fundo
e no raso
sinto o brilho do infinito intimo em mil...
Cheio de me dizer
Sem que lhe explique...

Luz

Nenhum comentário:

Postar um comentário