15/12/2013

Inventei um cais pra maré que se encheu, 
criei um mar pra lua marear, 
Dei ao desabrigo todo guardar.

Tudo calado e quieto, 

imaginando que ser Deus é certo.
Depois eu me tornei um simples e esperançoso anônimo,


Do criador virei filho 
da dor
antônimo.

André Luz

Nenhum comentário:

Postar um comentário