03/11/2013

Mata a dor

Mato e faço borboletas das cinzas
Viro pó na fornalha do seu pensamento
Mato e espalho átomos pelos espaços
Criando novos agravos em um novo descompasso

Mato mesmo é a morte da palavra maldita
Essa navalha que raspa sua ternura
E aos poucos mata em mim o quase tudo que é desejo
Sobrando dúbios poemas imperfeitos

André Luz


Nenhum comentário:

Postar um comentário