10/09/2013

Insolência do amor

Percebendo o meu luxo
Se sentiste em meu lixo
Onde me vês como um rato
Enquanto tu é quem rói nosso nó

Desse descabido mundo ilusório
Onde amo o seu precipício tentando fazer meu ninho
Sigo errando com o coração cada vez menos forte
Acompanhado desse meu amor, que vem com a dor dos sozinhos.

André Luz Gonçalves


Nenhum comentário:

Postar um comentário