05/09/2013

Escravo da liberdade

Acendo assim e penso: cadê meu violão?
Solidão pra caralho sem sim, sem não...
Carta sem baralho,  sem cheiro de terra, sem chão,
No meio da mata, enjaulado na fortaleza que é essa minha prisão.

André Luz Gonçalves

Nenhum comentário:

Postar um comentário