28/08/2013

Do tamanho da solidão
O som do desamor batendo nas portas trancadas de vontades
Ritmo e euforia, minha ansiedade se abraça a sua agonia
Alívio sem dor BUSC
                           AMOS

procurando vagas num mundo isolado, largo seu mar e o céu
Cheio de paisagens, miro e ajo, propenso, propicio 
Dou adeus pra ninguém, pensamentos vão só, meus...
E o vento nem sempre precede, percebe e me recebe bem

o inacabado finda e o laço se emenda
Pro-fundo Preparo o peito e aceito sua língua
Nada mais infinito que sua boca é, toda vinha
Quando chega noite, essas suas, me revoltam palavras

Eu, dia trago até me amanhecer.

André Luz Gonçalves

Nenhum comentário:

Postar um comentário