29/07/2013

Ou quase.

Rogou me pragas
Jurou me as favas
Tentou me ao fim 
E encorajou meu medo

Fez de meus mistérios seus segredos
Despiu meu céu
Fez seu brinquedo
Deu prazer de ter sem tê-lo

Depois fingiu que não viu
Largou o resto num canto sutil
Culpou o largo e o farto
E acertou um outro ato

Restando tudo

André Luz Gonçalves


Nenhum comentário:

Postar um comentário