30/06/2013

Reverbera

Um mandala depenado na casa de janelas de espera
O sacro amor profano 
A falta de saber deixar
E os telefones todos com ela

Esse seu me abandonar por aí
Minha solidão, querendo seu estranho desejo odioso.
E várias outras mãos te digitando
E os telefones tocam sem ela

E desse vai sem ir
Nesse insosso sabor de desdém
Aonde eu vejo e penso lembro
E o telefone reverbera essa aquarela.

André Luz Gonçalves



Nenhum comentário:

Postar um comentário