13/06/2012

Ode ao ódio!

Ódio, sentimento puro,
Primário, instintivo e arrítmico.
Nos mostra escancarado e nu!
Mandamos ao invés de pedir.
Amor em revés.
Ir tomar no cú é logo ali!
Vamos à merda ao invés de acarinhar a maciez da pétala.
Pensamento vil, na sombra do iluminar.
Faz do pensar irracional o único modo preciso.
Desfaz aliança,
Entorpece o amor
Apaga a luz do fim do túnel
Mata a esperança.
Ódio, singela distância do querer.
Onde pode até haver,
Certamente há o querer,
Ódio é mais cego que o amor.
Sem rima que lhe caiba,
Tortos versos dos nervos tesos.
A flor da pele quando se faz chula.

Nenhum comentário:

Postar um comentário