27/06/2012

Desejo


Nasce,
Chega broto,
Sorri para a esperança
Supera obstáculos,
Ama tudo que conduz,
Rasga o ditado e atropela o mundo,

Inocente como hortênsias coloridas na serra…
Avassalador como o ladrão,
Infinito como a morte.
Desejo cresce,
Borbulha o âmago,
corre pelo ventre,
deixa teso o arco.

Vaga na agonia,
escorre na ansiedade,
ejacula precoce o anseio ao simples repensar.

Endoidece e põe os pés pelas mãos agindo feito louco solto

Desejo acaba,
Se perdeu, sem receber retorno, 
ficou inquieto até dormir, até sumir.
e aí,
O úmido fica seco, a tensão amolece, 
a lagrima nem chega mais, broxa.

Assim e só assim, podendo até ser Deus!

O horizonte reaparece,
O coração dói, mas respira o frescor e olha a relva,

E a saudade torna o passado um presente perfeito
Basta eu querer trazer de volta meu desejo,

Como se eu capaz fosse de traze-lo de volta, meu desejo.

Sente muito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário